Glossário
 

ATAFONA
Edifício de apoio à actividade agrícola, com dois pisos, cujo nome se deve ao engenho de moer cereais, de tracção animal (a atafona propriamente dita), que possui, ou possuía, no piso térreo. A designação estendeu-se às construções cuja função se limita ao armazenamento de alfaias e produtos agrícolas e do forragem para os animais.

CASA DE DESPEJOS
Compartimento de uma construção ou construção independente destinada a armazenar produtos da terra e pequenas alfaias ou, como acontece no maior parte dos casos, objectos fora de uso. Esta utilização está frequentemente associada a espaços que deixaram também de servir a função para que foram construídos (Cf. Arquitectura Popular dos Açores, AAVV, Ordem dos Arquitectos, Lisboa, 2000, peg.557).

CASA RURAL
Designação utilizada para o complexo constituído, em ambiente rural, pela casa de habitação unifamiliar e pelas construções e espaços anexos destinados a apoiar as actividades domésticas e agrícolas.

CERRADO
Área de terreno originariamente destinada ao cultivo de cereais, cercada por muros de alvenaria de pedra seca de baixo altura.

COMBRO
Murete de reduzida altura que circunda uma eira.

CURRAIS DE VINHA
Divisórias agrícolas formadas por muros de pedra solta, de formato geralmente rectangular, destinadas ao cultivo da vinha ao abrigo dos ventos marítimos.

FUMEIRO
Zona da cozinha onde se situam o lar e o forno (ou a boca do forno), com telhado sobrelevado em relação à restante cobertura do compartimento que, nestes casos, não tem chaminé. O fumo liberta-se através das telhas e, por vezes, através de aberturas praticadas no curto troço de empena que fecha o ressalto entre as duas partes do telhado.

GAIOLA
Varanda de madeira existente nos moinhos de vento giratórios, por vezes alpendrada, constituindo um espaço de transição entre a escada de acesso, também de madeira, e a porta de entrada no moinho. O conjunto composto pela gaiola, pela escada e pelas duas varas laterais que unem a base da escada à base da parte móvel do moinho, gira juntamente com este e forma o leme de orientação do velame em relação a direcção do vento.

GATEIRA
Trapeira (janela elevada sobre o telhado) baixa e larga com uma frente triangular.

IMPÉRIO
Pequena construção que se assemelha a uma ermida, onde se realiza parte das cerimónias das Festas do Espírito Santo e na qual, durante esse período, se expõem as insígnias deste culto.

LAR
Lugar da cozinha onde se acende o fogo e se cozinham os alimentos. Na versão mais elementar, corresponde a uma simples bancada de pedra (lareira, poial, ou pial) (Cf. Arquitectura Popular dos Açores, AAVV, Ordem dos Arquitectos, Lisboa, 2000, pág.558).

PALHEIRO
Edificação de apoio à actividade agrícola destinada ao armazenamento de alfaias e produtos agrícolas e da forragem para os animais. Frequentemente inclui um espaço próprio para abrigar o carro de bois.

TORRE
O mesmo que "torrinha" (designação especialmente utilizada na Ilha Terceira). Espécie de trapeira (janela elevada sobre o telhado) de grandes dimensões destinada a iluminar e ampliar o sótão, por vezes atravessando toda a cobertura desde a fachada ao tardoz, construída total ou parcialmente em madeira e possuindo telhado próprio de duas águas.

Pico. Madalena
Inventário do Património Imóvel dos Açores
Última actualização em 2006-03-08