91.5.24 ZIMBRAL
VILA NOVA DO CORVO • ZONA DO ZIMBRAL, ENGENHOS E LAGOS
UNIDADE PAISAGÍSTICA CONSTRUÍDA
ÉPOCA DE CONSTRUÇÃO INICIAL: SÉC.XVIII/SÉC.XIX
 
 
DESCRIÇÃO: Unidade paisagística constituída por cerrados de pasto e cultivo, palheiros, abrigos, bebedouros para animais, uma antiga fábrica de manteiga e um posto de desnatação.
Os cerrados estão separados por muros de pedra seca e são maioritariamente utilizados para pasto.
Os palheiros têm na generalidade dois pisos em alvenaria de pedra seca e cobertura de duas águas em telha de meia-cana tradicional.
Os abrigos são construídos em alvenaria de pedra aproveitando, normalmente, o ângulo formado por dois muros ao qual se encostam. O espaço fica encerrado por um troço de muro circular. A cobertura é de pedra, em falsa cúpula.
Os bebedouros têm planta rectangular e encontram-se enterrados no terreno estando parcialmente cobertos por pedras de pequena dimensão.
A fábrica de manteiga é um edifício de planta rectangular, de um só piso, construído em alvenaria de pedra rebocada na fachada. Tem cobertura de duas águas em telha de produção industrial do tipo "marselha" (parcialmente destruída).
O posto de desnatação, de planta rectangular, tem um só piso em alvenaria de pedra e cobertura de duas águas em telha tipo "marselha".
ESTADO DE CONSERVAÇÃO: Razoável
FUNÇÃO INICIAL: Cerrados de pasto e cultivo, palheiros, abrigos, bebedouros e infra-estruturas da indústria de lacticínios
FUNÇÃO ACTUAL: Cerrados de pasto e cultivo, palheiros, abrigos, bebedouros
OBSERVAÇÕES: Esta espécie está localizada na cartografia em uso também nas quadrículas 11, 12 e 4.
DATA DE LEVANTAMENTO: 1998-07-19
< anteriores

mapa: 5
4
11
12
Corvo. Vila Nova
Inventário do Património Imóvel dos Açores
Última actualização em 2006-03-09